25 de maio de 2009
Não acabem com os heróis.
Não deixem os heróis se revoltarem, odiarem.
Não criem heróis prepotentes, abusadores.
Os heróis devem voar.
Os heróis podem criar seus próprios pecados,
e suas virtudes para combater.
E que seja a luta com seus próprios "eus"-
a mais importante da guerra.
Mas os heróis não podem relutar diante da verdade.
Os heróis não devem ser injustos.
Devem se preocupar com o mundo,
E não somente, com seu super-umbigo.

Como é teu herói?
Tem capa e espada?
Flechas e armadura?
Tem amigos, amores...família?
E se angustiam por ter de escolher,
entre sua própria paz e da do mundo?
Os dilemas dos heróis são os mais deliciosos.
São altos, elevados.
Não terminam na primeira esquina.

Os heróis precisam existir.
Não podem ter jeito de gente, vida de gente.
Crise de, gente.
Até toda a fantasia acabar...
Sucumbir...
Fraquejar...
Suspirar diante da maldade,
Implorar por uma migalha de vida (!)
Não implorem por vida, heróis.

Deixem os heróis sobreviverem nos seus lugares,
Gostem dos heróis.
Que mal há neles?
Ah, menina pequena,
Continue sempre do lado dos bons heróis.
Não, você, menina pequena,
Não precisa se sentir desprotegida,
Em acreditar numa realidade utópica...
Você não é uma ingênua e boba,
Que precisa ver a vida "como ela é".
Menina pequena, tua força é infinita.
Você sabe o que certo,
O que é justo,
O que é bom.
Não se confunde com o primeiro protagonista,
que rouba a cena, anti-heroicamente.
Menina, pequena, menina-
Uma heroína de você.

A fantasia do homem...
Está escurecendo...
Esmoecendo...
Apelando nos graus mais cruéis.
Cuidem das crianças,
Esse é um apelo de herói.
Cuidem do imaginário dos pequenos.
De suas fantasias e lendas.
Das coisas boas que levarão da vida.
Cuidem, heróis.


Ah, os heróis...
Não deixem os heróis serem fracos.
Isso, é para as pessoas. (!)





----
(aos heróis de capa e espada e, aos heróis da vida, de todo dia.
"cual caballero estare y morire sonriendo, querida MTA...")

Marina Cruz

É Psicóloga por formação, Educadora por vocação e Falartista por opção.

0 comentários