22 de fevereiro de 2009


Portas e janelas ficam sempre abertas pra sorte entrar. . .
Entram por vezes, fragilidades, gostos de lágrimas, medo, necessidade de esperança.
Portas e janelas deixam que entrem luz, carinho e sonhos bons.
O vento toca as portas e janelas, permitindo que se fechem. A pureza de criança, intrínseca e inerente, dá um jeitinho de levantar os pés (ficando de ponta de bailarina) para forçar a maçaneta.

"Nunca diga que não consegue, que as coisas são difíceis demais...Ser pequena é só um jeito de olhar..."

Aproveitando a ponta de pé, já dança e voa pela sala, porque as preocupações se fazem cessadas... E moram num reino longe, longe.
As mudanças (chuva ou Sol, dores e dissabores, êxtases e passos largos até o mais alto) geram, sim, crescimento.
Não importa quando venham, elas que corram para alcançar, pois estará sempre arraigada em si mesma. Amando.
Todo dia é dia de crescer. Todo dia é dia de olhar. Olhar coisas que ninguém vê.

"As pessoas já não páram. Não olham para si... Estão sempre correndo..."

Pare.
Sinta o cheiro de café fresco. Admire jasmins caídas ao chão. Olhe quem está ao teu redor. Diga as pessoas o quanto você quer que elas estejam bem.

Portas e janelas ficam sempre abertas pra vida entrar. . .


Marina Cruz

É Psicóloga por formação, Educadora por vocação e Falartista por opção.

0 comentários