2 de junho de 2008

" São Paulo! Comoção de minha vida…
Os meus amores são flores feitas de original…Arlequinal!
Traje de losangos… Cinza e ouro.
Luz e bruma… Forno e inverno morno.
Elegâncias sutis sem escândalos, sem ciúmes.
Perfumes de Paris… Arys!
Bofetadas líricas no Trianon… Algodoal!
São Paulo! Comoção de minha vida,
Galicismo a berrar nos desertos da América"}
- De Andrade, Mario.





"É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
Da dura poesia concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta de tuas meninas [...]
Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas
Da força da grana que ergue e destrói coisas belas
Da feia fumaça que sobe apagando as estrelas
Eu vejo surgir teus poetas de campos e espaços
Tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva..."}

- Veloso, Caetano.




.


O Centro Velho de São Paulo. Noite.
Quantas vezes passei por lá e achei tudo aquilo, tão cinza, tão apressado, tão angustiante e feio.
(Bate na boca).
Mas é surreal: como pode o dia barrar certas impressões, ofuscar com a luz natural uma beleza sutil que só o céu escuro, convida pra que se evidencie?
Tive a surpresa de passar pela experiência paulistana noturna essa semana: as ruas parecem mais largas, o frio não era congelante, mas na medida certa. As luzes, os carros não enlouquecidos apreciando a sinfonia silenciosa de seus motores me pareciam cena de filme.









Vou lhes contar um segredo: acho que posso entender de forma pessoal as sensações das pessoas que viveram ali. Tantos romances, tantos sorrisos, tantas macarronadas em família, tantas brigas, tantos escândalos, tapas, serenatas. História viva essa cidade de mil amores... Perigo em cada esquina? Olhe para os postes de luz e veja se consegue sentir medo. Não quero ser prisioneira da fama megalopólica, cheia de tiros. Também não quero fechar os olhos para a realidade mais contrastante que pude tocar.



Lanço duas boas alternativas: Ou há algo de muito belo e misterioso na noite paulistana, ou...


Eu não desisto mesmo de ver as coisas por aquele prisma meio poético, meio romântico...






Marina Cruz

É Psicóloga por formação, Educadora por vocação e Falartista por opção.

4 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

  2. Este comentário foi removido pelo autor.

  3. São Paulo, cidade prostituta...
    Bonita? Só de noite. Nascida pra noite.
    De dia é comum, imunda...
    De noite é sonho, é desejo, é mistério....
    Convenhamos... é impossível não se fascinar com ela.


    Ou talvez sejamos duas românticas....

  4. Este comentário foi removido pelo autor.